domingo, 16 de dezembro de 2018

Cantinas escolares no RS estão proibidas de vender doces e alimentos gordurosos

Cantinas escolares no RS estão proibidas de vender doces e alimentos gordurosos

por Rebrae 02/08/18

Nova determinação já passa a valer desde 31 de julho, mas os estabelecimentos têm um período de três meses para se adaptarem

Lei estimula a alimentação saudável e proíbe a comercialização em cantinas escolares de produtos que colaborem para doenças como obesidade, diabetes e hipertensão

O governo do Rio Grande do Sul sancionou uma lei que proíbe em cantinas escolares a comercialização de produtos que colaborem para doenças como obesidade, diabetes e hipertensão. A nova determinação passa a valer a partir desta terça-feira (31), mas os estabelecimentos têm um período de três meses para se adaptarem.

A decisão vale para escolas de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio, da rede pública e privada. Não podem ser comercializados alimentos como balas, pirulitos, gomas de mascar, biscoitos recheados, refrigerantes, sucos artificiais, salgadinhos e frituras. Os infratores estão sujeitos a fechamento da cantina e multa de até R$ 1,5 milhão.

É proibida também a venda de alimentos industrializados cujo percentual de calorias provenientes de gordura saturada ultrapasse 10% das calorias totais ou cuja preparação seja utilizada gordura vegetal hidrogenada, além de produtos industrializados com alto teor de sódio.

A nutricionista Carla Piovesan explica que é muito importante que as crianças e adolescentes consumam na maior parte das refeições alimentos in natura e minimamente processados. “Não tem problema comprar um sanduíche, feito com um pão que não seja muito processado. Estamos falando dos embutidos, salgadinhos, esses são alimentos prejudiciais. Se a gente pensar que os alunos estão cinco dias por semana na escola e que em um ou dois intervalos, todos os dias, eles consomem esses produtos, é muito preocupante”, explica.

Conforme Carla, crianças e adolescentes estão em fase de crescimento e o consumo de produtos processados podem ser ainda mais prejudicial nesta fase. “Mesmo que o adolescente tenha genes para hipertensão, obesidade, se ele tiver um estilo de vida saudável, uma alimentação equilibrada, pode nem ter o problema”.

As cantinas escolares também serão obrigadas a oferecer, diariamente, pelo menos duas variedades de frutas, inteira ou em pedaços, ou na forma de suco. De acordo com a nutricionista Claudia Denicol Winter, o ideal é que se consuma duas a três porções de frutas e verduras todos os dias. “O uso de alimentos industrializados não contribuem em nada, eles não possuem os nutrientes necessários para o crescimento. Infelizmente, precisa vir uma lei para mudar isso. A obesidade e o sobrepeso vêm aumentando bastante em crianças e adolescentes e isso pode trazer prejuízos na vida adulta”.


Acesse aqui a Lei nº 15.216, de 30 de julho de 2018.


Veja também o Manual das Cantinas Escolares Saudáveis – Promovendo a Alimentação Saudável, elaborado pelo Ministério da Saúde em 2010 e o curso online Cantinas Escolares Saudáveis: promovendo a Alimentação Saudável, promovido pela Rede de Alimentação e Nutrição do Sistema Único de Saúde (Redenutri).


Imagem: CRN – 2
Fonte: CRN -2; Assembléia Legislativa do RS;



Ver todas as notícias


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/rebrae/www/wp-includes/functions.php on line 3778

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/rebrae/www/wp-includes/functions.php on line 3778